Índice | Palavras: Alfabética - Freqüência - Invertidas - Tamanho - Estatísticas | Ajuda | Biblioteca IntraText
Alfabética    [«  »]
idóneos 6
ignorância 1
ignorar 2
igreja 193
igrejas 9
iguais 1
igualmente 3
Freqüência    [«  »]
215 as
210 uma
200 à
193 igreja
191 um
188 no
181 ministério
Congregação para a Educação Católica; Congregação para o Clero
Normas fundamentais para a formação dos diáconos permanents

IntraText - Concordâncias

igreja

    Parte,  Capítulo, Parágrafo
1 I, 1 | CIC, a fim de garantir à Igreja a unidade, a seriedade e 2 I, 1 | execução das leis universais da Igreja, explicitam as suas razões 3 I,Intro,1 | Povo de Deus, instituiu na Igreja vários ministérios, para 4 I,Intro,1 | Cristo ao serviço da sua Igreja. Pela ordenação, fica-se 5 I,Intro,1 | representante de Cristo, Cabeça da Igreja, na sua tríplice função 6 I (4) | Catecismo da Igreja Católica, n. 1581.~ 7 I,Intro,1 | de Cristo, mediante a sua Igreja.(6) « O enviado do Senhor 8 I (10) | Catecismo da Igreja Católica, n. 876.~ 9 I,Intro,1 | ministério sacramental na Igreja é, ao mesmo tempo, um serviço 10 I,Intro,2 | serviço dos diáconos na Igreja é documentado desde os tempos 11 I,Intro,2 | tido em grande honra na Igreja.(14) São Paulo saúda-os 12 I,Intro,2 | hierárquica e ministerial da Igreja, integrando o diaconado. 13 I,Intro,2 | Inácio de Antioquia(16) uma Igreja particular sem bispo, presbítero 14 I,Intro,2 | bebidas, mas ministros da Igreja de Deus ». A Didascalia 15 I,Intro,2 | diaconal foi florescente na Igreja do Ocidente, até ao século 16 I,Intro,2 | como função originária na Igreja.(20) Mas tal prescrição 17 I (19) | Cada Igreja local, nos primeiros tempos 18 I (19) | proporcionado ao dos membros da Igreja, para que pudessem conhecer 19 I,Intro,2 | o desejo de enriquecer a Igreja com as funções do ministério 20 I,Intro,2 | diaconado permanente na Igreja latina. No ano seguinte, 21 I,Intro,3 | experiência plurisecular da Igreja sugeriu a norma segundo 22 I,Intro,3 | protagonista da vida da Igreja, levando a uma nova realização 23 I,Intro,3 | importante para a missão da Igreja.(30) Uma vez que os munera 24 I,Intro,3 | são necessários à vida da Igreja,(31) é conveniente e útil 25 I (30) | presença de ministros da Igreja nos vários ambientes de 26 I,Intro,3 | missão,(32) os homens que na Igreja são chamados a um ministério 27 I (33) | gentes, 16. Cf. Catecismo da Igreja Católica, n. 1571.~***~ 28 II,Intro,2 | diaconado permanente na Igreja do Ocidente durante mais 29 II,Intro,2 | identidade cristã, no interior da Igreja, compreendida como mistério 30 II,Intro,2 | eclesiástico, ele é, na Igreja, sinal sacramental específico 31 II,Intro,2 | parte essencial da missão da Igreja.~6. Matéria da ordenação 32 II (10) | Cf. Catecismo da Igreja Católica, n. 1570.~ 33 II,Intro,2 | diácono é incardinado na Igreja particular ou na Prelatura 34 II,Intro,4 | espiritualidade de toda a Igreja enquanto toda a Igreja, 35 II,Intro,4 | a Igreja enquanto toda a Igreja, à imagem de Maria, é a « 36 II,Intro,4 | Precisamente para que toda a Igreja possa viver melhor esta 37 II,Intro,4 | ordenação, é constituído na Igreja ícone vivo de Cristo servo. 38 II,Intro,5 | com o caminho universal da Igreja, a Congregação para a Educação 39 II,Intro,6 | situações próprias da sua Igreja particular.~Caso ele opte 40 II, I,1 | 1. A Igreja e o Bispo~18. A formação 41 II, I,1 | obrigação que compromete toda a Igreja. Ela, saudada pelo apóstolo 42 II, I,1 | vocação.~A solicitude da Igreja em prol dos seus filhos 43 II, I,1 | O organismo social da Igreja serve ao Espírito vivificante 44 II, I,1 | membros.~Na solicitude da Igreja em prol dos seus filhos, 45 II, I,1 | corresponder-lhe generosamente. A Igreja deve estar bem consciente 46 II, I,3 | depositum guardado pela Igreja, alimentam a dos candidatos, 47 II,II | o chamamento público da Igreja. « Vocari a Deo dicuntur 48 II,II | Deus. O discernimento da Igreja é, portanto, decisivo para 49 II,II | tesouros da antiga tradição da Igreja e que tenham em conta as 50 II,II,1 | 31. A tradição da Igreja completou ulteriormente 51 II,II,1 | e mariana, um sentido da Igreja humilde e acentuado, o amor 52 II,II,1 | humilde e acentuado, o amor à Igreja e à sua missão, o espírito 53 II,II,1 | seja, segundo as normas da Igreja e o juízo prudente do Bispo, 54 II,II,2 | Celibatários~36. « Pela lei da Igreja, confirmada pelo próprio 55 II,II,2 | e sumo Amor; o serviço à Igreja pode contar com uma plena 56 II,II,2 | disciplina tradicional da Igreja ».(43) O mesmo princípio 57 II,II,2 | contributo original à missão da Igreja.~ 58 II,III,3 | de oferecer-se a Deus e à Igreja para exercer a ordem sagrada; 59 II,III,3 | exercer a ordem sagrada; a Igreja, por sua vez, recebendo 60 II,III,5 | palavra e do altar ».(57) A Igreja « considera muito oportuno 61 II,III,6 | preceito, e geralmente na Igreja catedral.(75) Os ordenandos 62 II,IV,1 | solicitude a Cristo e à Igreja. É uma vocação empenhativa, 63 II,IV,1 | amor de Cristo pela sua Igreja; significa ao mesmo tempo 64 II,IV,1 | comunhão familiar a toda a Igreja e à sociedade. É uma vocação 65 II,IV,2 | sacrifício, o sentido da Igreja, o zelo apostólico. Além 66 II,IV,2 | ao sentido da oração da Igreja. Com efeito, rezar em nome 67 II,IV,2 | efeito, rezar em nome da Igreja e pela Igreja faz parte 68 II,IV,2 | em nome da Igreja e pela Igreja faz parte do ministério 69 II,IV,3 | nova evangelização a que a Igreja é chamada neste difícil 70 II,IV,3 | ao estudo dos Padres da Igreja e um conhecimento geral 71 II,IV,3 | conhecimento geral da história da Igreja;~c) a teologia fundamental, 72 II,IV,3 | particular a doutrina social da Igreja;~f) a teologia espiritual;~ 73 II,IV,4 | reflexão científica sobre a Igreja na sua edificação quotidiana, 74 II,IV,4 | dentro da história; sobre a Igreja, portanto, como "sacramento 75 II,IV,4 | apostólico-missionária da Igreja na história.~A teologia 76 II,IV,4 | homilia;~c) o empenhamento da Igreja em favor da justiça social 77 III, 1,1 | teológico e jurídico na Igreja.~ 78 III, 1,2 | escrito a intenção de servir a Igreja (35) durante toda a vida 79 III, 1,2 | ministerial do diácono à Igreja.~3. Um diácono, já incardinado 80 III, 1,4 | compromete-se também com a Igreja, que tem necessidade de 81 III, 1,4 | está previsto pela lei da Igreja: « Os clérigos, se não estão 82 III (45) | comunidade cristã e a toda a Igreja, à qual não pode deixar 83 III, 1,4 | missão dos fiéis leigos na Igreja e no mundo,(47) conduzindo 84 III, 1,4 | Direito Canónico.(51)~11. A Igreja reconhece no seu ordenamento 85 III, 1,4 | comunhão hierárquica da Igreja; as que trazem dano à identidade 86 III, 1,4 | enfim, conspiram contra a Igreja.(53)~Seriam completamente 87 III (53) | Episcopal Alemã, Declaração « Igreja católica e maçonaria » ( 88 III, 1,4 | sua missão ao serviço da igreja particular.~12. A eventual 89 III, 1,4 | especialmente chamados a tornar a Igreja presente e activa naqueles 90 III, 1,4 | A disciplina vigente da Igreja não proíbe aos diáconos 91 III, 1,4 | ao Magistério, às leis da Igreja e à sua liberdade.(61)~Esta 92 III, 1,4 | doutrina e a disciplina da Igreja.~13. Os diáconos, como ministros 93 III, 1,4 | a defesa dos direitos da Igreja ou para a promoção do bem 94 III, 1,5 | favor da diocese », em cada Igreja particular deve ser constituído 95 III, 2,2 | da liturgia e da vida da Igreja.(85) Além disso, na interpretação 96 III, 2,2 | menos tácito, do reitor da Igreja, com a humildade de quem 97 III, 2,2 | diáconos recordem que a Igreja é por sua natureza missionária, (103) 98 III, 2,2 | diáconos são ministros desta Igreja e, por isso, embora incardinados 99 III, 2,2 | embora incardinados numa Igreja particular, eles não podem 100 III, 2,2 | ao empenho missionário da Igreja universal e devem, portanto, 101 III, 2,2 | dimensão missionária da Igreja; ou seja, o esforço missionário 102 III, 2,3 | a tornar participante a Igreja dos frutos do seu sacrifício.~ 103 III, 2,3 | o qual tende a acção da Igreja e, ao mesmo tempo, a fonte 104 III, 2,3 | sacerdote e do seu Corpo que é a Igreja, é acção sagrada por excelência, 105 III, 2,3 | eficácia nenhuma outra acção da Igreja se equipara ». (108) A liturgia 106 III, 2,3 | pertencem ao corpo universal da Igreja. (109) Os diáconos devem 107 III, 2,3 | culto a Deus e santifique a Igreja. (110)~30. Segundo a tradição 108 III, 2,3 | 30. Segundo a tradição da Igreja e conforme o que está estabelecido 109 III (112)| Catecismo da Igreja Católica, n. 1570; cf. Caeremoniale 110 III, 2,3 | estabelecido pela sabedoria da Igreja. Limitem-se, por isso, a 111 III, 2,3 | bênção nupcial em nome da Igreja. (132) A delegação concedida 112 III, 2,3 | aos fiéis a caridade da Igreja. (136)~35. Os diáconos têm 113 III, 2,3 | obrigação estabelecida pela Igreja de celebrar a Liturgia das 114 III, 2,3 | sempre acto próprio de toda a Igreja, (138) mesmo quando a celebração 115 III, 2,3 | significados e, por impetração da Igreja, são obtidos efeitos sobretudo 116 III (139)| cân. 1168; Catecismo da Igreja Católica, n. 1667.~ 117 III, 2,4 | promover todos os membros da Igreja particular, para que possam 118 III, 2,4 | carismas, na vida e missão da Igreja.~38. No ministério da caridade 119 III, 2,4 | testemunho da Tradição da Igreja, transmitidas aos servidores 120 III, 2,4 | materiais dos homens às quais a Igreja deve responder. Por isso, 121 III, 2,4 | ministros de Cristo e da Igreja, saibam superar todas as 122 III, 2,4 | não esvaziar a missão da Igreja da sua força, que é a caridade 123 III, 2,4 | nas obras de caridade da Igreja. Os diáconos têm neste campo 124 III, 2,5 | particularmente empenhados, na vida da Igreja.~Para o bem do diácono e 125 III, 2,5 | que toda a actividade na Igreja deve ser sinal de caridade 126 III, 3,1 | Contexto histórico actual~43. A Igreja, reunida por Cristo e guiada 127 III, 3,1 | diácono, membro e ministro da Igreja, deve ter em conta esta 128 III, 3,1 | chamado a assumir a missão da Igreja « de investigar a todo o 129 III, 3,2 | serviço do Reino de Deus na Igreja. Como é indicado pela própria 130 III (181)| promover o incremento da Igreja e a sua contínua santificação » ( 131 III, 3,2 | da obra mediante a qual a Igreja de Cristo serve e santifica 132 III (182)| mistérios de Cristo e da Igreja, devem conservar-se puros 133 III, 3,3 | no mistério de Cristo, da Igreja e da salvação do homem. 134 III, 3,3 | natureza da comunhão da Igreja.~47. A primeira e mais fundamental 135 III, 3,3 | vida de cada diácono na Igreja.~Toda a actividade ministerial 136 III, 3,3 | indivisível, está associada a Igreja, (188) que Cristo ama, purifica, 137 III, 3,3 | participar do seu amor pela Igreja, « pela qual não pode deixar 138 III, 3,3 | ardente e activo em favor da Igreja e com uma sincera vontade 139 III, 3,3 | e desta sua diaconia a Igreja é sinal e instrumento na 140 III, 3,4 | guiado por aqueles que na Igreja são mestres autênticos da 141 III, 3,4 | declarações comprometem a Igreja; por isso, é essencial para 142 III, 3,4 | torna o apoio vigoroso da Igreja, solidez da para os filhos 143 III, 3,4 | da para os filhos da Igreja, alimento da alma, fonte 144 III, 3,4 | sua identidade na vida da Igreja: é ministro do Corpo de 145 III, 3,4 | recorde que estas acções da Igreja, quando vividas com e 146 III, 3,4 | todo o bem espiritual da Igreja ». (207) Na Eucaristia encontrarão 147 III, 3,4 | comunhão no interior da Igreja particular. Com efeito, 148 III, 3,4 | ministros, intercedam por toda a Igreja. Tal oração prossegue na 149 III, 3,4 | do diácono em direcção à Igreja e d'Aquela que é a sua Mãe 150 III, 3,4 | se pode separar Cristo da Igreja seu Corpo. A verdade da 151 III, 3,4 | activamente na edificação da Igreja com a dedicação aos deveres 152 III, 3,4 | presbitério. O diácono deve amar a Igreja inteira: a Igreja universal, 153 III, 3,4 | amar a Igreja inteira: a Igreja universal, de cuja unidade 154 III, 3,4 | perpétuo e visível, (212) e a Igreja particular, que « aderindo 155 III, 3,4 | verdadeiramente presente e actuante a Igreja de Cristo una, santa, católica 156 III, 3,4 | O amor a Cristo e à Igreja está profundamente ligado 157 III, 3,4 | um modo de introduzir na Igreja a dimensão mariana que muito 158 III, 3,5 | matrimónio. (217)~60. A Igreja reconhece com gratidão o 159 III, 3,5 | admiravelmente de acordo. (218) A Igreja sabe também que este carisma, 160 III, 3,5 | Deus para o bem de toda a Igreja, os diáconos não confiem 161 III, 3,5 | com o qual Cristo se à Igreja (cf. Ef 5, 25) é um dom 162 III, 3,5 | estímulo da sua diaconia na Igreja.~O diácono casado deve, 163 III, 3,5 | público do próprio marido na Igreja ». (222) Este amor cresce 164 III, 3,5 | aprecie tudo o que se refere à Igreja, dum modo especial as tarefas 165 III, 3,5 | responsável na missão da Igreja nas circunstâncias do mundo 166 III, 3,5 | no serviço da missão da Igreja. Os diáconos, as suas mulheres 167 III, 3,5 | e a todos os membros da Igreja. É também um chamamento 168 III, 3,5 | constante disciplina da Igreja, quer no Oriente como no 169 III, 4,1 | servir ministerialmente a Igreja e com a formação inicial 170 III, 4,1 | portanto, seja por parte da Igreja que a administra, seja por 171 III, 4,1 | fidelidade » a Cristo e à Igreja e da « conversão contínua », 172 III, 4,2 | diácono um amor crescente pela Igreja e por seus irmãos, manifestado 173 III, 4,2 | para ser santo, servindo a Igreja e toda a humanidade, o diácono 174 III, 4,3 | Ordem e posta ao serviço da Igreja, e desenvolve todas as suas 175 III, 4,3 | bispo. (232)~A solicitude da Igreja pela formação permanente 176 III, 4,3 | o próprio ministério na Igreja como pessoa irrepetível 177 III, 4,3 | sintam o amor com que a Igreja segue o seu esforço por 178 III, 4,4 | Deus, de um amor sincero à Igreja e de uma atenção pastoral 179 III (238)| bebidas, mas ministros da Igreja de Deus » (Epist. ad Trallianos, 180 III, 4,5 | sinal vivo da caridade da Igreja.~Tudo isso requer uma programação 181 III, 4,5 | do diácono no mistério da Igreja, em virtude do seu baptismo 182 III, 4,5 | visível da unidade de toda a Igreja.~Assim formados, os diáconos, 183 III, 4,5 | pacificação, para o bem da Igreja.~72. É necessário programar 184 III, 4,5 | sistemático do Catecismo da Igreja Católica.~É indispensável 185 III, 4,5 | apresentam a posição da Igreja em relação aos problemas 186 III, 4,5 | obediência ao Pastor universal da Igreja e aos Pastores diocesanos, 187 III, 4,5 | doutrina e à disciplina da Igreja mediante um consolidado 188 III, 4,5 | difundir a doutrina social da Igreja. A inserção duma grande 189 III, 4,5 | ministério, de tornar presente na Igreja e na sociedade o amor e 190 III, 4,5 | de comunhão, própria da Igreja, a diversidade e complementaridade 191 IV | nascimento dos fiéis na Igreja, torna fecundos o ministério 192 IV | sustentaste e ajudaste a Igreja nascente, torna os diáconos 193 IV | a alegria de servir, na Igreja, com ardente amor.~Amém.~


IntraText® (V89) Copyright 1996-2007 Èulogos SpA